Título da página de arquivo

Autem vel eum iriure dolor in hendrerit in vulputate velit esse molestie consequat, vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at vero eros et dolore feugait.

Arquivo diário 5 Setembro, 2021

Dia 4 – A Bordo do Connecting Europe Express – Por Carlos Cipriano, Jornalista do Público

BORDÉUS – TURIM
Das seis da manhã às nove e meia da noite. Toda uma jornada sobre carris, mas não se pense que é cansativo, monótono, ou desgastante. No Connecting Europe Express há espaço e tempo para muitas coisas, desde logo para dormitar, ler, ouvir música, conversar, trabalhar. Também se pode ir ao bar tomar um café, percorrer a composição heterogénea, que tem carruagens da Áustria, Suíça, Itália, França, Alemanha e Hungria. Há também as paragens técnicas, breves, onde os mais dependentes aproveitam para fumar um cigarro e outros para esticar a pernas na gare. Mas o melhor de tudo, o melhor mesmo, é desfrutar da paisagem.
Seis da manhã na estação de Bordéus. Ainda é de noite, mas à medida que o comboio europeu caminha para Leste, notam-se os primeiros raios de Sol a vencer a neblina, logo a bola de fogo a subir no horizonte, que é largo porque viajamos ao longo de uma região relativamente plana e muito verde.
Mautanban, Toulouse, Narbonne, Bésiers, Montpellier, Nîmes, Avignon, Valence, Lyon, Chambéry, É este o percurso. Para já.
A beleza aumenta quando nos encontramos com o rio Reno, que nos vais acompanhar durante quilómetros. E com as famosas colinas que o ladeiam, que dão o nome aos famosos vinhos Cotes du Rhone. O momento áureo da viagem é o maravilhoso lago Bourget, que o comboio circunda. A via férrea é mesmo ao lado da sua margem. Um deslumbre para recrear a vista, aumentado pela experiência de tudo isto ser visto desde o interior da carruagem panorâmica suíça.
Em Chambéry o Connecting Europe Express pára durante três horas, entre as 15h17 e as 18h08. Há um motivo forte: o ministro dos Transportes francês, Jean-Baptiste Djebbari, preside a uma cerimónia na estação relacionada com o arranque de uma grande obra ferroviária: uma linha de 65 quilómetros (dos quais 57 quilómetros em túnel) entre Lyon e Turim, que vai custar 8,6 mil milhões de euros (quatro vezes mais do que o programa em curso em Portugal, designado Ferrovia 2020, para a modernização das linhas portuguesas). A futura ligação transalpina será financiada em 25% pela França, 35% pela Itália e 40% pela União Europeia.
O troço final será de Chambéry a Torino, já na cordilheira dos Alpes, com uma paisagem de cortar a respiração. O Connecting Europe Express circula entre desfiladeiros, pontes e túneis, e desde a carruagem panorâmica a experiência da viagem é fantástica. Não é demais repetir: é uma maravilha viajar neste veículo envidraçado, através do qual avistamos os cumes das montanhas a rasgar o céu.
Em Modane, última estação francesa, a locomotiva Alstom dá lugar a uma locomotiva Ansaldo, de fabrico italiano. Depois há um túnel de 14 quilómetros no qual se entra em França e se sai em Itália. A fronteira estará lá algures no meio da escuridão. E é já noite escura quando, às 21h20 o comboio europeu faz a sua entrada na estação de Turim. Buona sera!
Carlos Cipriano
• Carlos Cipriano, natural do Bombarral e residente nas Caldas da Rainha, é jornalista do Público e aceitou pro bono partilhar com o Europe Direct Oeste, Lezíria e Médio Tejo a sua experiência a bordo do Connecting Europe Express durante os próximos dias.